História de Patrocínio Paulista fundada por Monteiro de Araújo, onde viveu a Madrinha da Serra – Nosso tio Joaquim Carlos Monteiro

Por volta do ano de 1.800,  garimpeiros, originários de outras regiões de mineração se estabeleceram em núcleos clandestinos na confluência dos rios Santa Bárbara e Sapucaizinho, na região conhecida como Barro Preto e ali fundaram uma povoação a que chamaram de Santa Bárbara das Macaúbas.

Em 1833, como o número de habitantes de Santa Bárbara era suficientemente grande, criou-se a Freguesia e Distrito de Santa Bárbara das Macaúbas, o segundo da Vila Franca-SP, instalado a 1º de julho daquele ano.

Os garimpeiros não se preocupavam com a agricultura e por isso arrasavam os terrenos marginais dos rios, o que levou ao descontentamento dos fazendeiros, que liderados por João Cândido dos Reis, fizeram uma petição ao Governo Provincial para que os impedisse de continuar ali.

patrocinio um

O resultado disto foi a extinção do arraial segundo documentos que constam do Arquivo do Estado de São Paulo (1).

Por estes documentos tomou-se ciência de que a freguesia não foi destruída por tropas vindas de Franca-SP, como constava da tradição oral, mas que os garimpeiros, após serem notificados pela autoridade competente, se retiraram em 1855 (2), sem impor resistência e seus ranchos foram, mais tarde, queimados pelos fazendeiros.

Os garimpeiros não desanimaram, e, voltaram a se arranchar as margens dos rios Santa Bárbara e Sapucaizinho, o que provocou, por parte dos fazendeiros, novo pedido ao Presidente da Província para a expulsão dos invasores, que foram notificados a 26 de fevereiro de 1862, para que dali saíssem (3), o que fizeram pacificamente. Isto foi verificado pelo oficial de Justiça em 15 de março do mesmo ano, expedindo documento relacionando o nome de todos os garimpeiros que ali se encontravam.

Assim, perseguidos, os garimpeiros subiram o Sapucaizinho vindo a se instalar às suas margens, já em terras pertencentes à fazenda do Turvo, onde hoje se localiza a cidade de Patrocínio Paulista.

A notícia da existência na região de grande quantidade de pedras preciosas provocou um grande afluxo de pessoas desejosas de se enriquecer, o mesmo acontecendo por época do recrutamento para a guerra do Paraguai, o que provocou a vinda de grande número de foragidos para cá, onde passavam a se dedicar ao garimpo.

A Povoação cresceu rapidamente o que levou ao Monsenhor Cândido Rosa (ACREDITAMOS SER NOSSO PARENTE) a animar a população a fazer uma doação de terra à fábrica da Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio.

Os garimpeiros e toda a população do local, liderados pelo Sr. Joaquim Carlos Monteiro fizeram uma subscrição pública e com o produto da mesma adquiriram uma parte de terras da fazenda do Turvo, então pertencente ao Major Antônio Joaquim do Nascimento, (meu avô), fazendo doação do terreno adquirido a Nossa Senhora do Patrocínio (5)

Em 30 de março de 1874, a lei Nº. 17, promulgada pelo Presidente da Província, Dr. João Teodoro Xavier, elevou a povoação à Freguesia e suas divisas com a paróquia de Franca foram aprovadas por atos da mesma presidência em 13 de maio de 1875.

A Lei Nº. 23 de 10 de março de 1885, assinada pelo Presidente da Província Dr. José Luiz de Almeida Couto, elevou a antiga povoação à condição de Vila com o nome de Vila de Nossa Senhora do Patrocínio do Sapucaí.

A 10 de dezembro de 1887 foram eleitos os primeiros vereadores que tomaram posse a 28 de janeiro de 1888, passando a município nesta mesma data.

Em 25 de agosto de 1892 pela Lei Nº. 80, a Vila de Nossa Senhora do Patrocínio foi elevada à categoria de comarca e cidade pelo governo de São Paulo.

A 1º de janeiro de 1949 o antigo “Garimpo do Sapucaí” passou a se chamar Patrocínio Paulista, de acordo com a Lei Nº. 233 de 24 de dezembro de 1948.

Por volta de 1890, em função dos garimpos de Patrocínio Paulista surgiu a seis quilômetros desta cidade um povoado cujo patrimônio formou-se graças às terras doadas a Nossa Senhora Aparecida, por Antônio Beltrudes e outros (8).

O Distrito de Paz de Itirapuã foi criado e incorporado à comarca de Nossa Senhora do Patrocínio do Sapucaí pela Lei Nº. 751 de 14 de novembro 1900, ficando ligado à Patrocínio, até 24 de dezembro 1948, quando a Lei Nº. 233 criou o Município de Itirapuã-SP.

LEI N. 751, DE 14 DE NOVEMBRO DE 1900 NA TERRA DOS MONTEIRO DE ARAÚJO – MORRO REDONDO

Cria o districto de paz de Ityrapuam, no Municipio e Comarca de Patrocinio de Sapucahy.

O doutor Francisco de Paula Rodrigues Alves, presidente do Estado de São Paulo,
Faço saber que o Congresso Legislativo decretou e eu promulgo a lei seguinte :
Artigo 1.° – Fica creado o districto de paz de Ityrapuam, municipio e comarca de Patrocinio de Sapucahy.
Artigo 2.° – As divisas do districto são as seguintes: começam no espigão das divisas da fazenda de São Thomé com as do Morro Redondo do Pontal, na divisa do Estado de Minas com o de São Paulo, deste ponto, seguindo pelo mesmo espigão até o Alto da Serra, nas divisas da fazenda de Antonio Joaquim de Alvarenga, João Carlos de Vilhena e Morro Redondo do Pontal, dahi seguem pelas aguas vertentes até encontrar a Serra do Campestre, seguem pelo espigão desta até o pontel da mesma serra, deste, em rumo á cabeceira do corrego da Varginha, descendo por este á morada de Francisco Alves de Freitas, ponto em que toma o nome de «Corrego das Pedras», descendo por este até a barra do corrego denominado «Corrego da Joanna», ponto de divisas com a fazenda de João Villela dos Reis, subindo por este até sua cabeceira, desta, voltando em rumo até a barra dos corregos do «Capanema» e «Santa Barbara», subindo por este até a barra do corrego dos «Mellos», seguindo por este até a barra do corrego da «Barra Grande», subindo por este até a barra de um corrego junto á morada de José Justino de Figueiredo, seguindo pelo corrego da direita até a morada dos herdeiros de Messias Joaquim do Nascimento, nas divisas do Estado de Minas, seguindo por estas até o ponto de partida das presentes divisas.
Artigo 3.° – Revogam-se as disposições em contrario.
O secretario de Estado dos Negocios do Interior assim a faça executar.
Palacio do Governo do Estado de São Paulo, aos quatorze de Novembro de mil e novecentos.
FRANCISCO DE PAULA RODRIGUES ALVES
BENTO BUENO
Publicada na Secretaria de Estado dos Negocios do Interior, aos 14 de Novembro de 1900.-Servindo de director, T. Mondin Pestana.

Anúncios

4 Respostas to “História de Patrocínio Paulista fundada por Monteiro de Araújo, onde viveu a Madrinha da Serra – Nosso tio Joaquim Carlos Monteiro”

  1. Marcos A Ferreira Says:

    Bom dia!
    Meu nome é Marcos Antônio Ferreira (descendente de Antônio Alves de Guimarães), o qual sogro de Joaquina. Grata satisfação ver essa página. Caso queira entrar em contato estou a disposição. Fraternalmente,
    Marcos Ferreira

  2. Marcos A Ferreira Says:

    Obrigado! Gostaria de aprofundarmos a troca de informações, se possível. Aguardo contato. Fraternalmente, Marcos Ferreira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: